Da Rádio

Hoje é Dia da Rádio e achei que não podia deixar de o mencionar e de prestar a minha homenagem ao meio de comunicação social que mais influência teve na minha formação enquanto apreciador de música e não só.

Foram muitas as manhãs passadas em casa, quando tinha 5 ou 6 anos, em que a principal companhia das minhas brincadeiras solitárias era um inseparável rádio sempre sintonizado no Rádio Clube Português. Fui crescendo e a TV começou a ganhar espaço, mas o rádio foi sempre companhia indispensável, pois era por aí que me entravam em casa as vozes e a enorme sabedoria do António Sérgio, do Aníbal Cabrita e do Ricardo Saló, do Francisco Amaral, do Manuel Falcão, do Amílcar Fidelis, da Manuela Paraíso, do Júlio Isidro, do Luís Filipe Barros, Rui Pêgo e de tantos outros que me lançaram nos braços do meu maior vício, aquele sem o qual não consigo respirar: a Música.

Aprendi ainda o que era o humor inteligente com o Pão com Manteiga, ou o mais directo, mas não menos eficaz, de uns Parodiantes de Lisboa, de um Raul Solnado…

Hoje em dia, felizmente, ainda há “Rádio” a ser feita, por entre muita “rádio” que disso só tem o nome.

Uma TSF,  uma Antena3 e qual oásis no meio de um cada vez mais vasto deserto, a Radar, asseguram-me que a Rádio está viva e ainda se recomenda, mesmo numa altura em que cada um de nós começa a fazer os seus próprios conteúdos e alinhamentos.

Fernando Alves, Carlos Vaz Marques, Inês Meneses, Ricardo Mariano, Fernando Alvim, Tiago Castro, Nuno Galopim, Álvaro Costa, Luís Oliveira, Pedro Ribeiro, Mónica Mendes e um punhado mais de bons profissionais (ou excelentes, caso dos sonoplastas fabulosos ao serviço da TSF) permitem ter confiança de que a Rádio, a Rádio não morrerá tão cedo.

Em adolescente tive o prazer de estar do outro lado desse mundo e é sem dúvida das experiências de que mais saudades tenho e que adoraria repetir, mas hoje as rádios que estão ao meu alcance limitam-se a, quais papagaios hertzianos, repetir ad infinitum playlists inanes e rendidas a interesses meramente comerciais aparentemente fruto de mentes lobotomizadas e para mentes que a isso se parecem candidatar.

Depende de nós manter a Rádio viva, depende de nós aquele pequeno gesto que me habituei a fazer, de apagar a TV e ter por companhia as vozes e a música. Esse pequeno gesto permite conversar, ler ou apenas ser embalado até outros mundos…

Por tudo isto, obrigado Rádio!

Anúncios

One thought on “Da Rádio

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s